domingo, 21 de setembro de 2008

Secret life of plants






Beba-me, e eu andarei sobre estrelas.


Beba-me, e engoliremos a noite.


Beba-me, e as nuvens deixarão fiapos soltos entre dentes nossos.


Beba-me, enquanto minha boca busca tua mordida. Enquanto tua boca ronda meu pescoço.


Enquanto tua mão colhe plantas e flores no calor do meu sexo. Transplantados ao teu. Haste úmida, respiro aquático.


Beba-me, enquanto dançamos à beira do abismo, princípio nosso de cada fuga que fazemos antes do amanhecer.


Beba-me, mate-me.


Beba-me enquanto me comes.


Só não me abandones.


Um comentário:

lissa disse...

bonito. muito.