quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

último post do ano






Eu tinha começado a escrever umas divagações com medo possivelmente de parecer objetivo demais triste demais pessimista demais. Um ano se passou desde a última véspera de ano novo em que estivemos metidos, todos nós, homens e mulheres aí pela casa dos enta, quase todos com o mesmo padrão de vida, o que inclui problemas, traumas, inquietações. Quase todos ou todos metidos em réveillons diferentes mas que seguiam o mesmo padrão de fogos de artifício, espumantes estourando rolhas, augúrios de sei-lá-o-quê. Eu devo ainda acrescentar antes de seguir adiante: véspera de ano novo em que estivemos metidos como se metidos estivéssemos numa briga sem rivais, sem contendores, sem sangue, suor, lágrimas. Eu tive que me forçar a ser menos metafórico menos suposta e pretensamente poético menos surrealista incolor. Não sou definitivamente um cara que usa sapatos bicolores. Não sou definitivamente um cara que usa sapatos. Essa foi, aliás, uma das mudanças não programadas, não elencadas em rol, lista de coisas a fazer no ano novo: bem antes de dezembro estender seus cordões coloridos e seus papais noéis encarnados sobre nossas cabecinhas infantis eu já tinha quebrado um padrão assumido no ano anterior – de usar apenas sandálias, fosse aonde fosse, na companhia de qual lobo ou hiena ou pantera que me ladeasse, em mesa de trabalho, de bar, ou de sarjeta. Ali pelo décimo mês do ano, pois, eu passei a usar meias e a cobri-las com sapatos, um tênis de longos cadarços e aspecto rústico, um social-envernizado que calcei na formatura da minha filha. Ganhei um terceiro de presente, o que significa que vocês me verão decididamente bem posto sobre a terra neste dois mil e nove. (E aqui abro e escavo parêntesis para comentar que, historicamente, este ano que se encerra velho, hoje, pode ser resumido numa imagem sem imagens – a do jornalista oriental rebolando seus sapatos, um após o outro, contra o suprassumo do mundo ocidental, o senhor George Dábliu.) Posso dizer, então, que os meus já os tinha atirado mais um ano atrás – contra a humanidade? Posso dizer, então, que capitulei, e voltei atrás, sobre meus passos, antes desnudos, agora cobertos pelo couro tratado e costurado da vergonha e da seriedade? Ainda ontem, véspera da véspera, tentei descolar um celular novo, legalmente, esclareço, ainda não roubei nenhum aparelho eletrônico (pura falta e senso de oportunidade – houve um tempo em que andei afanando livros em supermercados). Pois, prossigo, tateando, tropeçando nas letras e nas vírgulas, fui à cata de um novo celular e o consultor da companhia ao olhar a camiseta comentou: é impossível não cantarolar a música. Eu vestia uma camiseta com uns versos dos Beatles – she loves you yeah yeah yeah – explico. Em letras garrafais, não neste ridículo minúsculas-minúsculas anterior. Daí. Daí que me lembrei que foi com essa camiseta que cruzei o tempo regulamentar que separou dois mil e sete de dois mil e oito, trezentos e sessenta e cinco dias atrás. Noite tristonha. De luzes baixas. De taças sem repique. Sem tinir cristal a não ser timidamente. O primeiro dia do ano eu passei (nós passamos) em ambiente hospitalar. Uma grande enfermaria a céu aberto em que vivemos. Manhã, tarde, às vezes noite. Depois, uma enorme unidade de tratamento intensivo. Parece que tanto tempo já passou, bem mais que um mísero ano. Este, que dividi em peças de vestuário – uma camiseta de algodão, uns sapatos de couro, curvim. Como princípio, e fim. No meio, no meio, arriscaria uma lista sem ordem prévia, sem mergulho longo que o meu fôlego, neste instante, é curto – uma lista de coisas que fiz: - uma coluna escrita diariamente, e que veio substituir enquanto falta de tempo a minha disponibilidade para este blog; - uma campanha política derrotada, e que veio substituir por alguns meses a minha disponibilidade para a tal coluna; - um livro quase forçadamente publicado e do qual não dou muitas notícias porque o rebento já estava mais que grandinho ao nascer e dispensa a ajuda do pai desajeitado; - alguns bons novos amigos e o reforço de uns velhos. Não comprei a cama que queria e passei boa parte do ano dormindo no chão. E, quando dormi, dormi poucas horas ao dia. Comprei mais livros do que os li. Meu carro que me acompanhava há dez anos foi trocado – literalmente um branco por um preto. Fiz alguns meses de musculação. Continuei a fumar, às vezes desbragadamente. Fui ao pneumologista pela primeira vez, sem grandes prejuízos para o meu indeciso futuro. Bebi muito, bebi pouco, nas duas situações às vezes em excesso. Me senti livre, me fiz sentir-me livre. Estive ao ponto de enlouquecer (houve um dia que sim). Vi poucas vezes a lua cheia. Poucas alvoradas, alguns crepúsculos. Quase não me banhei no Atlântico. Estive mais fechado, em liberdade aprisionada. E para você que me lê, que me aparece aqui, vez em quando ou sempre, meu desejo que os próximos dias, meses, ano, sejam melhores – melhores de quê? Não sei, mas que sejam melhores, definitivamente melhores. Feliz 2009.









quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Uma crônica de hoje, uma música de ontem




Amazing Natal



Me desculpem, mas este Natal nem Natal parece.

Eu sei, eu sei. As luzes coloridas continuam balançando nas árvores, noite ou madrugada adentro, o vento passeando ondas luminosas entre os galhos e as folhas.

Eu sei, eu sei. Nos corredores dos shoppings, as sacolas seguem, ondulando pra lá e pra cá, pra frente e pra trás das pernas dos passantes, pendulando desejos insaciáveis, e muitas vezes inconciliáveis, entre almas e corpos. Ou entre os corpos e os bolsos que os vestem.

Eu sei – eu ainda sei. Seus filhos já escreveram para o Papai Noel no Pólo Norte (e alguns já trocaram os hemisférios e garrancharam um “Pólo Sul” no dorso do envelope), pedindo a boneca, o trenzinho, o carrinho de rolimã.

Ah, eu já não sei. Não. Aqueles eram outros meninos, de outros tempos e lugares-comuns, quando havia ainda carrinho de rolimã, trenzinho e boneca.

É certo que as bonecas ainda resistem – mas como evoluíram, em todos os sentidos: as meninas de hoje, por exemplo, querem a boneca Ananda, aliás Amazing Ananda, ou seja, Ananda “Maravilhosa”, setecentos reais a unidade (R$ 699,99, pra ser exato), acompanhada dos seguintes acessórios: “um lindo vestido e sapatos, camisola, prato de espaguete, macarrão e cereal, todos com um lugarzinho para encaixar a colher, caixa de suco, biscoito, tortinha, pizza, escova de dentes, escova de cabelo e peniquinho.”

Bueno, depois de menu tão farto, não poderia faltar o peniquinho.

A descrição do brinquedo segue, detalhada, acompanhada de instruções e conselhos para o uso: “Nenhuma outra boneca é capaz de interagir tanto quanto Ananda. Ela reconhece a voz de sua ‘mãe’, envolvendo-a na brincadeira de forma inovadora e divertida! Ela ri, fala, chora, brinca e pede abracinhos. É uma brincadeira de mamãe e filhinha que você nunca viu! Ela reconhece a voz da ‘mamãe’!”

Uau! O “monstrinho” cibernético não parece sua própria filha? Ou nós mesmos? Afinal, rir, falar, chorar, brincar e clamar por abraços não é nossa lida diária?

Deixando a Amazing Ananda de lado – ou melhor: dormindo um soninho sossegado, um ronquinho quase inaudível acompanhando o inflar e desinflar do peito –, por que o sobrescrito continua achando que esse Natal nem Natal parece?

Não sei. Falta eletricidade no ar. Falta alegria, mesmo aquela travestida em consumismo desenfreado. Será a crise mundial espraiando seus tentáculos. Será aquele verso final, frase-síntese de Machado de Assis, tão antiga, sempre atual: “Mudaria o Natal ou mudei eu?”

*

SONETO
Na íntegra, o soneto machadiano: Um homem, – era aquela noite amiga,/ Noite cristã, berço no Nazareno, –/ Ao relembrar os dias de pequeno,/ E a viva dança, e a lépida cantiga,// Quis transportar ao verso doce e ameno/ As sensações da sua idade antiga,/ Naquela mesma velha noite amiga,/ Noite cristã, berço do Nazareno.// Escolheu o soneto... A folha branca/ Pede-lhe a inspiração; mas, frouxa e manca,/ A pena não acode ao gesto seu.// E, em vão lutando contra o metro adverso,/ Só lhe saiu este pequeno verso:/ "Mudaria o Natal ou mudei eu?"

MAIS DO MESMO
Ou seja, depois de tal soneto, qualquer crônica sobre o Natal torna-se inútil e redundante – e haja perturbar o velho bruxo na sua tumba, citando sua célebre questão.

NHEN
Mas outros poetas também merecer ser perturbados em épocas natalinas, todos batendo na mesma tecla com outros versos – Fernando Pessoa: Nasce um Deus. Outros morrem. A Verdade/ Nem veio, nem se foi: o Erro mudou./ Temos agora outra Eternidade,/ E era sempre melhor o que passou.

-NHEN-
O velho Drummond: Menino, peço-te a graça/ de não fazer mais poema/ de Natal./ Uns dois ou três, inda passa.../ Industrializar o tema,/ eis o mal.

-NHÉM
Nei Leandro (de Castro), por tabela e fugindo do nhenhenhém e cutucando a ferida: As meninas da Rua 25 de Dezembro,/ expostas ao odor e à fúria da maresia,/ expõem seus corpos em plantão permanente./ Não querem piedade. Querem foda./ Querem vinte, trinta dinheiros,/ em troca do corpo infantil que a maresia/ está corroendo até a morte prematura.

Lembrai-vos das meninas da 25 de Dezembro quando quebrarem as castanhas e erguerem as taças.

ZUNZUNZUM
Intervalo para notícias da Funcarte: além de Bob Pai e Bob Filho, aka Carlos e Alex de Souza, há um terceiro nome cotado para a Brouhaha: Hayssa Pacheco, do DN, o que seguiria a estratégia instaurada por Dácio Galvão de “um pé lá, outro cá”.

FINAL
Por derradeiro, mas nem por isso menos importante, me aproprio do “Poema para o Natal”, de Bosco Lopes, para seguir retribuindo, a todos, os votos que por aqui chegaram:
AMIGO, SOMENTE O FINAL DO POEMA/ COLORIDO ESTRELADO/ MANEIRA ÚNICA DE LHE DIZER/ FELIZ NATAL.





PROSA
“Veio para o que era seu, mas os seus não o receberam.”
São João
O evangelho segundo João
VERSO
“Fui ser feliz.”
Lisbeth Lima
“The end”







sábado, 20 de dezembro de 2008

VERSO


efêmero é o amor sem corpo.

Napoleão de Paiva Souza, amor veneris in Apenas chegaram, Alexandria: Barriguda, 1999











sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Desalmado

Trastevere, Rome, 5:15 a. M.




[Guido Crepax, Acqua Alta – com intervenção besta de midc]





foi então ontem que ele teve notícias dela, um muezim louco no passeio de Trastevere, canteiro central entre as luzes vermelhas dos cadillacs, a barba longa e negra e negra e longa, a mão elevada ao alto, abençoada e o dedo em riste, foi ele, ele quem falou da mulher estrangeira, descrevendo como em transe, com detalhes, em detalhes, cada fio rubro do seu cabelo à altura dos ombros, onde um dia, houve, sim, um dia, descansou sua mão enquanto alimentavam os patos no lago do parque sul, ele falou pro outro, seu dedo curvo apontando o zênite, os carros passando rasteiros ao longo de suas pantalonas azul-cobalto, esperança e glória, glória e liberdade, salvação e redenção, tanto havia por fazer que ao fim e ao cabo vocês nada fizeram, ou se fizeram foi muito pouco, um filho cego, outro surdo e retardado, um terceiro, uma menina, a mais bela de todos, porque azul-turmalina nos olhos, dentes brancos e o ursinho marrom de pelúcia a tiracolo, a vitrola zunzunando, tocando um Talking Heads de velha figura, era então inverno entre as margens do Tevere, um pouco de neve na ilha, um pouco de óleo nos dedos para abençoar o recém-nato, a menina, a terceira a nascer, o cordão cortado e ressecado, Massimo, sempre Massimo, a percorrer as ruas com sua Vespa branco-encardida, e ele, a assoprar as mãos buscando calor e fuga do frio que rondava as orelhas, ele sempre dizia para ela que tinha as orelhas frias, mas o coração quente e pulsante no lado esquerdo do peito, dizia sempre da vontade de partir, uma vez Málaga, outra Cabo Verde, porque ilha, porque arquipélago, porque corrente atlântica, foi quando subiram ao apartamento, o carrossel já com as luzes apagadas, subiram e não encontraram alguma resistência na porta de ferro batido, na circunferência do cadeado a sete chaves, na trava de segurança, abriram a bendita porta, arrastaram o cadáver pelo corredor, deixando as luzes acesas, as janelas abertas, veio o vento, e quando vinha o vento, àquela época, trazia odores do cemitério do Verano, ao fim e ao cabo, pouca coisa teve ele a dizer para ela, quando ela, sempre ela, decidiu embarcar naquele avião rumo às Baleares, o muezim, repito, insisto, não era da mesma classe dos que levaram Alfredo embora, derramando fogo, primeiro gasolina, depois querosene, sobre o amontoado de mapas e projetos e planos e figurações da nave central da igreja, sarça ardente, então, quando ele descobriu que era você quem enviava as cartas, que havia pagado o aluguel do quarto central, número onze, onze, anote aí, porque necessário, talvez, comparecer e enviar relatório devidamente autorizado e autenticado em cartório, enfim, quando ele descobriu que era você, já era tarde, confortavelmente tarde, ele evitou fazer qualquer tipo de acusação, optou pelo silêncio e pelo silêncio sucumbiu, tão triste como tristes foram os dias de sua vida.



quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

A última flor de laço



Olavo Bilac me escreveu. Postou um comentário aí abaixo. O décimo-primeiro, como uma bonus track excedendo os dez mandamentos. Chateou-se com as declarações de uma – aparentemente – estrangeira. Afirmou que os comentários estão parecendo uma “troca de afagos virtuais” – e o que, segundo o poeta, seria pior: “em vários idiomas”. Depois, diz que me acho e faço estilo latin lover.


“Mas o fã-clube anda exagerando”, continua, “este post é do dia 10 e ainda rende comments”.
Por fim, se lamenta: “Ah, se eu tivesse um fã-clube desses.”


Meu bilaquinho de meia-tigela: liberei os comentários pra não ter que ficar filtrando nada (inclusive o seu, que assina com pseudônimo ou é filho natural de algum parnasiano atrasado). Como este blog não é bem uma casa-de-mãe-joana, achei mais simples, especialmente pra mim mesmo, pra não ter que ficar me preocupando em não deixar nenhum comentário no atraso do meu próprio ritmo em checar emails.


Não há troca de afagos virtuais. Uma certa senhora anda treinando seu portunhol por aqui. Acha que me conhece doutra encarnação, inclusive em outras praias longe desta Ciudad de los reyes e reinas.


Não sou eu, claro, o mancebo a quem ela se dirige tão impetuosamente.


Mas fazer o quê?


Não vou censurar ninguém, a menos que use o espaço para execrar outro alguém que não eu mesmo.


Quanto ao fã-clube, crie o seu, ouça estrelas.





quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Sumiu sem deixar vestígio




[Olga Baclanova, in A dangerous woman, 1929]




Sumiu sem deixar vestígio, a moça. Não foi encanto, tampouco desencanto houve. Escadaria de mármore, sapatinho de cristal. Houve uma noite, perto da meia-noite, em que ela ligou, a voz rouca ao telephon, tecendo redes, armadilhas pra peixes estrelas hipocampos.



Me enredei. Enrodilhado até o pescoço. Ainda posso exibir as marcas, arrumei emprego num Luna Park, entro antes da mulher-macaco. Monga. Foi ela quem de mim cuidou. Methiolate. Ardia, ardia a tarde com mil sóis, mil raios, mil folhas de outono, mil peixes sem ar.



Ao sumir, sumimos nós, que no deserto andávamos. Sumiu o lago as palmeiras o cesto de tâmaras. Sumiu nossa sombra, enrodilhada na areia quente, pastorada pelos escorpiões e por homens-azuis. Vez por outra a procuro, não ouço mais a sua voz.



Não existe vida após o silêncio.


love changes


Discover Nas!

the queen of spades


Discover Sting!

do you wanna be the lover of another undercover

só pra deixar claro que não morri


Discover The Who!

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Níu-láife | 10 fins – segundo T. S. Eliot


I

Assim expira o mundo
Assim expira o mundo
Assim expira o mundo
Não com uma explosão, mas com um gemido

[Os homens ocos]

II

O que poderia ter sido é uma abstração
Que permanece, perpétua possibilidade,
Num mundo apenas de especulação.
O que poderia ter sido e o que foi
Convergem para um só fim, que é sempre presente.
[Burnt Norton]

III

As palavras se movem, a música se move
Apenas no tempo; mas só o que vive
Pode morrer. As palavras, após a fala, alcançam
O silêncio. Apenas pelo modelo, pela forma.
As palavras ou a música podem alcançar
O repouso, como um vaso chinês que ainda se move
Perpetuamente em seu repouso.
Não o repouso do violino, enquanto a nota perdura,
Não apenas isto, mas a coexistência,
Ou seja, que o fim precede o princípio,
E que o fim e o princípio sempre estiveram lá
Antes do princípio e depois do fim.
[Burnt Norton]

IV

Em meu princípio está meu fim.
[East Coker]

V

Não era (para recomeçar) o que antecipadamente se aguardava.
[East Coker]

VI

O conhecimento impõe um modelo, e falsifica,
Porque o modelo é vário para cada instante,
E cada instante uma nova e penosa
Avaliação de tudo quanto fomos. Apenas não nos decepcionaremos
Com tudo o que, decepcionando, já não causa mais dano.
[East Coker]

VII

Em meu fim está meu princípio.
[East Coker]

VIII

Onde o fim para isso tudo, para o surdo lamento,
Para a silente agonia das flores outonais
Que as pétalas gotejam e imóveis permanecem;
Onde fim que ponha termo ao torvelinho do naufrágio,
A súplica do osso nas areias, à insuplicável
Súplica para a calamitosa anunciação?
[The Dry Salvages]

XIX

Fim é o lugar de onde partimos.
[Little Gidding]

X

Não cessaremos nunca de explorar
E o fim de toda a nossa exploração
Será chegar ao ponto de partida
[Little Gidding]


Fragmentos de Os homens ocos e Quatro quartetos in T. S. Eliot; tradução, introdução notas de Ivan Junqueira – São Paulo: Arx, 2004

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

oh, lord


Discover The Moody Blues!

rubi


[Photo: Vernon Merritt, 1968, from Life Magazine - "A dark picture showing the strain of suspence of Mrs. Donn F. Eisele sitting on the side of the road gripping her hands during her husband's trip on the Apollo 7 mission."]


No vinho a verdade, mandou a mensagem.

À distância de semanas. Dias. Séculos.

Nunca se viram. Ou pouco se viram. Embora muito.

Desejo fogo-fátuo. Ardência na boca do estômago, por onde o coração insiste em sair. Aos pulos, aos saltos, na contramão da racionalidade.

O coração, sempre na contramão.

Encharcado de vinho, soçobrou. Permaneceu batendo, sincopado, no meio-fio.

Não chovia. Sem barcos de papel. Sem a certeza da infância, o sol amarelado da infância, pairando alto no horizonte, onde, a chuva?

Tão próxima da mão estava e ele não estendeu a mão.

Seqüestro, rapto, furto, roubo.

Batendo sincopado, no leito seco do rio.

Ainda a viu, à margem. Os cabelos esvoaçando, espalhando olhares de tristeza, porque de abandono. Porque impossível.

Não estenderam a mão um ao outro. Os dedos permaneceram sem se tocar.

Tão próximos.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

fimdetarde


Discover Nitin Sawhney!


pausa do lavoro, work in progress, tabaco.

síndrome de abstinência | sétimo dia | as nuvens coloridas pelo sol poente




“Pois quem pode calcular o impacto e a repercussão de um incidente qualquer na vida de um sonhador?”

Charles Baudelaire > Torturas do ópio > O ópio > Os paraísos artificiais – Porto Alegre: L&PM Editores, Primavera de 1986

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

síndrome de abstinência | dia 6 | o esplendor inquietante




[Embedding disabled by request
acesse:
http://it.youtube.com/watch?v=hh8bCLDKKYY&feature=related]



“Por que não diminuir a dose de uma gota por dia, ou atenuar seu poder adicionando água? Calculou que seriam necessários vários anos para obter por esse meio uma vitória incerta. Aliás, todos os amadores de ópio sabem que, antes que se atinja um certo grau, sempre se pode reduzir a dose sem dificuldades, e até mesmo com prazer, mas que, uma vez ultrapassada essa dose, toda redução causa dores intensas.”

Charles Baudelaire > Torturas do ópio > O ópio > Os paraísos artificiais – Porto Alegre: L&PM Editores, Primavera de 1986

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Alto-falante


Pra Claudinha, que achou triste e desnecessário o último vídeo:


Discover Talking Heads!


Ouça bem alto. Shake-it-up dream!








síndrome de abstinência | dia 5 | a impotência para escapar ao suplício


“Assim, a coisa está clara; aliás, ele nos suplica que acreditemos nele: quando começou a tomar ópio todos os dias, havia uma urgência, uma necessidade, uma fatalidade; viver de outra maneira era então impossível.”


Charles Baudelaire > Torturas do ópio > O ópio > Os paraísos artificiais – Porto Alegre: L&PM Editores, Primavera de 1986

terça-feira, 25 de novembro de 2008

síndrome de abstinência | dia 4 | a obscuridade do terremoto e do eclipse



“E depois, serão assim tão numerosos, os bravos que sabem afrontar pacientemente, com uma energia renovada de minuto em minuto, a dor, a tortura, sempre presente, que não se cansa, em vista de um benefício vago e longínquo?”

Charles Baudelaire > Torturas do ópio > O ópio > Os paraísos artificiais – Porto Alegre: L&PM Editores, Primavera de 1986

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

síndrome de abstinência | dia 3 | o inverno enfurecendo-se na montanha




“Uma bela habitação não torna o inverno mais poético, e o inverno não aumenta a poesia da habitação?”


Charles Baudelaire > Torturas do ópio > O ópio > Os paraísos artificiais – Porto Alegre: L&PM Editores, Primavera de 1986

domingo, 23 de novembro de 2008

Ler / Escrever









[Vivian Wu em The pillow book de Peter Greenway, 1996]

Proficiência dos domingos





Experimente passar um domingo em casa. Sem tirar os pés do chão do apartamento – se você mora em apartamento – ou do chão da casa – se você mora em casa. Mora já nas nuvens? Ah, meu irmão, então vai te fuder.

Experimente passar um domingo em casa. Sem botar o nariz fora da janela, nem a pontinha – se você tem narizinho – ou a pontona – se você é um clone do Cyrano de Bergerac.

Experimente passar o domingo em casa, sem falar com ninguém. Despache todo mundo, a mulher, ou o marido, os filhos, dê folga pra empregada e um sonífero pro cão amarrado, bem amarradinho, no fundo do quintal.

Tire a TV da tomada. O liquidificador da tomada. A torradeira de pão da tomada. Não desligue a geladeira, porque, sem a ligação com a tomada a bicha não gela nem faz o essencial para um domingão em solitário: cubos de gelo. Cubos de gelo em profusão.

Mas de nada serve água congelada em forminhas plásticas se o distinto senhor ou senhora disposto, disposta, a atravessar a aridez do santo dia qual eremita no deserto não dispor de uma boa garrafa de um uísque com vergonha no rótulo – um doze anos, pra começar.

Esqueça o macluhanismo e meta a mão no que tiver ao alcance da sua: vitrola portátil, garrard, cd player, stereo sound system, ipod, mp3, mp4, cinco, seis, trinta e um alerta lá vou eu – aqui o negócio não é mensagem enquanto meio nem versa e vice.

Aqui o negócio, o lance, a coisa, palavrinha mágica, é Kind of blue. Não é pra começar, nem pra terminar, nem pra início de conversa nem de papo que a ordem – falei, derna o início – é silêncio de cordas vocais, de amígdalas, faringe, traquéia, diafragma, caralho a quatro. Então, o disco, bolacha, compact, eme-pê, long play, long tall sally metafórico é esse mesmo: Kind of blue. Columbia records, 1959.

Trompete, sax alto, sax tenor, piano, baixo e bateria numa briga coreográfica, balé aritmético, dança dos cinco elementos, preciso, exato, pleno de imperfeições perfeitas. Parece um brinquedo Lego: tudo se encaixa. Quando menos se espera, você montou um aeroplano de duas hélices, uma moto de não sei quantas cilindradas, um microscópio ou um astrolábio. Só de ouvido, sem tocar nas peças – e que peças: Miles Davis, John Coltrane, Jimmy Cobb, Cannonball Adderley, Wynton Kelly, Paul Chambers e Bill Evans – que comparou as improvisações da turma à disciplina dos calígrafos japoneses (cuja arte ele associou à “disciplina” e a uma certa “espontaneidade forçada”).

Posto o som para tocar, arrume uma cadeira confortável e de preferência discretamente reclinável e uma janela onde você se colocará diante pra se sentir... adiante.

Além.

Muito além.

Experimente passar o domingo além.



[Imagem do filme de Peter Greenway, The pillow book, 1996]

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

anos a fio



[Gustave Doré, Inferno, 1857 circa]



O teu demônio me segue
anos a fio
ele tece flores para mim
divide meu corpo em partes
Ele me culpa
acena feliz por trás das labaredas
dança ao meu redor
cresce como uma planta
eu aparo suas bordas seu rabo seus chifres
O teu demônio me encanta
como um retrato antigo amarelado
uma xícara de louça no mercado
O teu demônio me espanta
canta para mim todas as noites
me arde me explora me atormenta
O hálito quente sobre a minha boca
a febre sempre
O teu demônio vai embora hoje
ou fujo dentro dele a galope
eu vivo dentro dele feito um passarinho
feito uma coisa miúda enorme pobre
dilatada como um crucifixo
dura como uma esmeralda
Me esmero e espero
um dia me chamo Laura
tu me abocanhas os peitos
eu te abocanho a alma


[Iracema Macedo, O TEU DEMÔNIO, in Lance de dardos. Rio de Janeiro: Edições Estúdio 53, 2000]

desde o início




[Ouka Lele, Autorretrato (herida como la niebla por el sol), 1987]



Eu só acreditava em Drummond:
O amor chega tarde
Não conhecia o amor que fulgura sem aviso
esse que se sabe proibido
o amor que já se sabe perdido desde o início
Eu não acreditava no impossível
vinha tão sóbria, tão cheia de medidas
não conhecia o esplendor da queda
nem a violência dos abismos


[Iracema Macedo, DANDARA, in Lance de dardos. Rio de Janeiro: Edições Estúdio 53, 2000]



thanx



AGRADECIMENTO A todas e todos que compareceram à Siciliano dia 19 passado, e, por que não, a quem também não compareceu e nem por isso se fez menos presente.

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Femme fatale [191108]



[Retrato de Jeanloup Sieff]

Zanzando na net, dou com os costados em Nico, nascida Christa Päfffgen, Colônia, Alemanha, 16 de outubro de 1938.


Foi uma de minhas paixões juvenis. E, como toda paixão juvenil, obviamente não correspondida. Independente da distância e da contemporaneidade.


Aliás, volto atrás: paixão amplamente correspondida, que paixão nem sempre pressupõe resposta. E Nico correspondia, creio eu, aos sonhos, desejos, devaneios, de um porrilhão de gente espalhada pelo mundo – a começar pela sua imagem, exótica, misteriosa, de uma beleza, pra dizer o mínimo, “diferente”.


A carreira de modelo foi o início, ainda na década de 50, posando para fotos de moda e para as capas de revistas européias – Jardin des Modes, Jours de France, Elle, Der Stern – e americanas – Esquire –, mais uma dúzia de capas de LPs (entre elas, “Moon beams”, do Bill Evans Trio).


Em 1959, Federico Fellini a encontra flanando por Roma e a convida para o mais-que-perfeito retrato da vida boêmia e bon-vivant de então, supra-sumo da decadência com muita elegância: “A doce vida”.


Papel secundário, mas, num mutirão de mulheres bonitas – que incluía Anouk Aimée, Anita Ekberg, Laura Betti, Yvonne Forneaux –, nenhum papel pode ser secundário.


Na edição brasileira do livro, seu nome está lá, como Nico Otzak, e sua personagem, sem nome, descrita apenas como “Garota sofisticada da Via Veneto”.


Todo mundo conhece a história de “A doce vida”. Se não conhece, deveria conhecer. A começar pela seqüência inicial, um helicóptero carregando uma estátua de Jesus Cristo e sobrevoando os telhados de Roma e do Vaticano, e, claro, a clássica cena da Fontana di Trevi, com Marcello Mastroianni e Anita Ekberg.


Mas, já que eu não estou aqui para trair Nico com Anita, vamos voltar ao que interessa: dos braços de Fellini, Nico cai nos braços de Andy Warhol e comparece, com caras, bocas e tudo mais de direito na composição do Velvet Underground, cult entre os cults, ao lado de Lou Reed e John Cale.


Isso, em New York City – mas antes a moça já percorria a Swingin’ London (onde se relacionou com Brian Jones, dos Stones, e Jimmy Page, então nos Yardbirds) e Paris (onde teve um filho com Alain Delon, e conheceu Bob Dylan, que lhe dedicou uma música no álbum “Blonde on blonde”).


Dona de uma voz grave, quase máscula, Nico cantava em inglês com um forte sotaque alemão. Depois do Velvet, gravou uma dezena de discos, onde abusava dos teclados, mas sempre de um modo experimental. Tenho um LP duplo pra lá de precioso: “Behind the iron curtain” (com uma abertura gutural de “All saints night from a polish motorway” de arrepiar, mais as versões de “The end”, do Doors, “Femme fatale”, do Velvet e a atemporal “My funny Valentine”).


Gravado ao vivo, o duplo vinil foi comprado pelo sobrescrito na Espanha, poucos meses antes de saber a notícia: passeando de bicicleta em Ibiza, onde morava, Nico morreu. Tão perto, tão longe.

Passaram vinte anos e eu continuo vivo.






Discover Nico!


PROSA
“As batidas do coração em nossos peitos – ardentes e ávidos de nudez – não sossegavam.”
Bataille
História do olho
VERSO
“Ah, o todo se dignifica quando a vida é líquida.”
Hilda Hilst
“Alcoólicas”

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Coisa feia é ser lobista [131108]





Ainda mais em causa própria.

Mas, não posso evitar – existem outras pessoas envolvidas etc. Explico melhor o mistério: daqui a mais ou menos uma semana, próxima quarta, o sobrescrito lança livro.

Ufa. Trinta e seis palavras e 218 caracteres incluindo espaços nos parágrafos acima, mais o título – e foi como parir uma montanha.

Mas é verdade: não sei o que me incomoda mais, se é ir à noite de autógrafos ou ter de fazer auto-propaganda neste espaço.

Mas tem a editora, a brava Flor do Sal, de Flávia Assaf e Adriano de Sousa, e, claro, tem as telas de Isaías Ribeiro, reproduzidas entre as páginas e que servirão para descansar os olhos do leitor no mar de letras.

O nome do livro? “Cartas náuticas”. Sobre o que é? Já tenho ensaiado na ponta da língua: “mini-romance epistolar, prosa poética, ficção etc. etc.”

Vou fazer um esforço enorme para não faltar – aliás, faltou aqui o onde e o quando: na Siciliano do Midway, 19 de novembro do ano da graça de 2008, a partir da décima-nona hora (uma hora depois do Ângelus, pois).

Como não vou ter tempo de convidar um por um, os muitos amigos espalhados por cá e lá que desejarem vir, sintam-se convidados, mas nem por isso obrigados a comprar o dito cujo. Os leitores deste jornal e coluna, idem. Como não é nenhum catatau, dá pra folhear antes e ter uma idéia rápida se o negócio vale a pena ou não. Não gostando, acenem, caso eu os veja, apontem pro relógio de pulso, fazendo o sinal de “depois, depois” e peguem o beco. Juro que vou entender, com tantos lançamentos às margens deste Ryo Grande. Aproveito pra pedir perdão às árvores abatidas pra publicar mais esse objeto, quase sempre atendendo o desejo ególatra do autor e quase nunca o do leitor.

Bom, e antes que vocês desistam de vez de ir, a última confissão: é claro, claro, que ficarei feliz quão pinto em beira de cerca se não faltar ninguém e o negócio vender mais que Paulo Coelho. Então, aproveitem pra levar aquela tia esclerosada prum passeio no shopping antes que dezembro superlote tudo.

E não se fala mais nisso.

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

sábado, 8 de novembro de 2008

índigo




Dalton Trevisan: “O amor é uma corruíra no jardim – de repente ela canta e muda toda a paisagem.”

Meteo msn: “... a influência ainda é de uma forte massa de ar quente e seco. Por conta disso o sol brilha forte, faz muito calor, a umidade fica baixa e não chove.”

Meteo uol: “poucas nuvens” e “Sol, alternando com pancadas de chuva e possíveis trovoadas.”


Versão: “O sábado continua ensolarado.”



sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Mormaço






Me deixou esperando na soleira. Sem sombra. Pedra brilhante. Toquei a campainha três vezes, feito o galo de Pedro, noite do suplício. Fingiu que não escutou. A campainha está com problemas, ah, é, rapariga. Problemas vai ter você agora, a partir de hoje. Inda pensei em ligar, mas não liguei. Antes da quarta, a empregada surgiu no fundo do jardim, tava aguando as plantas. A campainha está com problemas, repetiu, desculpa. Tem de quê, não. Faço riso sério, abro o jornal do dia, quase intacto. Cruzo as pernas. Aprumo os óculos no meio da venta. Cara de mau. Celular desligado. Quero ninguém perturbando nosso encontro. Me mostrará hoje a caixinha chinesa? Sei. Desconfio, não. Chega minuto depois. Trouxe a chave, molhe de. Se atrapalha diante da bolsa aberta, couro cru e macio. Pintou os cabelos. Graúna. Passou por mim, e, boa tarde. Boa. Voltou, mais um minuto. Fechei o jornal, desdobrei as pernas, me indicou a porta aberta. Eu falei, eu tinha que falar, puta sol lá fora. Não quero trazê-lo pra cá dentro. O que eu quero dizer com isso, o que significa exatamente isso – assim, que não quero ficar sob sol. O ar condicionado no mínimo, deitei na cama, ela, ao lado. O quimono japonês fez a clássica dobra, entreviu o seio, a curva do. Um tufo de pelos caiu pela testa, espanou o nariz, ela pôs o dedinho na boca, outro percorreu meu peito. A caixinha, quase dizia, não disse. Que é isso do sol, perguntou. Muito sol, falei. Dói, ficar lá com os outros, todos se equilibrando no fio de poste derramado no chão. Me diz, quer dizer que está prestes a explodir, não falei isso, nada de combustão. Ela se levanta, some pelo quarto, sua voz caminha em pontos distantes, vejo apenas a estante de livros, lombadas em horizontes decrescentes. Agora, a voz às minhas costas, no alto da cabeça, os dedos percorrem os fios de cabelo, um após o outro, como a tecer coroas. Estou aborrecido comigo mesmo, falei, mais pensando na caixinha chinesa. Dessa vez foram as mãos a massagear o corpo inerte de cima abaixo, o quimono abrindo-se como leque, um calor de demônios derramando-se, uma boca tão fria, tão úmida, vulva fria e úmida e abissal por breves instantes. Não. Não quero que me toque, falou, levando o dedo ao lábio, como se uma coisa significasse silêncio e não outra. Planejamos tantas coisas, eu disse, vem sempre algo e cruza o caminho e nos desvia a rota. Como um gato, um cão, que atravessasse a frente do automóvel, perguntou, isso, isso, respondi. Um cão. Um gato. É um breve desvio de rota, altercação de bússola, mas o destino, mesmo vizinho, é tão distante. Gesticulei. Em algum ponto da conversa, não lembro o que dizia, gesticulei, como possuído. Boca seca, tosse miúda, uma preguiça mole arrodeando os músculos. Agora era o quimono que desfalecia no soalho de madeira, palco de tacos desfilando em tardes de verão. Hora líquida, de suores, salivas, espermas, fluidos vaginais. Cadê a caixinha, a pergunta só na memória embotada, sem eco o silêncio, gemido abafado. A boca que sorria emergindo na sombra do quarto. Dorme um pouco, sussurrou, ainda resta um quarto de hora. Então, sonhei. Que a outra moça chorava, retirando as bagagens do automóvel estacionado. Nem me perguntou como eu estava, como eu senti o suceder de mortes, ela disse, entre choros contidos e corpo em defesa. Com fúria a minha resposta, não, não perguntei, nem você, da semana passada, dos dias no deserto. Ela gemeu, e voltei a colocar a bagagem no interior da máquina. Depois, nos alpendres abertos, vento percorrendo tendas, refrigerando a tarde, ela se colocou bem próxima aos animais, todos doentes, lázaros em chamas calmas, alheia, como sempre, a tudo e em especial a mim. Tinha nas mãos um rato. De pêlo hirto e nariz cômico, rabo descarnado, ele abriu a boca e lhe engoliu quase toda a face, como em beijo canibalesco. E ela se entregou à carícia medonha, sem pudor, toda aberta e entregue a uma felicidade exótica, mundo vasto onde só cabia ela e seus temores, cada um deles domesticado, cada um deles prestes a morrer eternamente. E eu me virei e fui embora e deixei o alpendre e tendas ao vento pra trás, até que fosse apenas um ponto, minúsculo ponto no deserto, até que despertei, outra voz me chamando, seu tempo acabou, é hora de ir embora. Então, me vesti, deixei o dinheiro amassado sobre a mesa, globo de vidro, apertei sua mão. No salotinho escuro, percebi a sombra de outro homem na poltrona estreita, apenas as mãos, os sapatos de verniz escuro e lustroso, um anel vermelho no dedo, lenço branco ao peito magro. Seria ele, não eu, a assistir a abertura da caixa. Quanto a mim, restava a tarde com mil sóis e o hálito quente do exílio.
No salotinho escuro, percebi a sombra de outro homem na poltrona estreita, apenas as mãos, os sapatos de verniz escuro e lustroso, um anel vermelho no dedo, lenço branco ao peito magro. Seria ele, não eu, a assistir a abertura da caixa. Quanto a mim, restava a tarde com mil sóis e o hálito quente do exílio.

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

walter f meets henri c




[Henri Cartier-Bresson, Alicante, Espanha, 1932]




Quem puxa aos seusNão degenera, nãoDegenera, nãoNão degeneraDaí meu pai disseMeu filho, esperaA inocência que háNo olhar da feraE a minha mãe, ai, aiMeu Deus,quem deraA paciência de umaLonga esperaQuem puxa aos seusNão degenera, nãoDegenera, nãoNão degeneraE a minha mãe, ai, aiMeu Deus,quem deraQuanta ciênciaQuanta primaveraDaí meu pai disseMeu filho, esperaQue a violência, meu amorJá era



[Walter Franco]

terça-feira, 28 de outubro de 2008

qualquer som e palavra [variação de parágrafos + vídeo]



me pedem que eu escreva
eu escrevo
digo
apenas não publico
me pedem que eu escreva
como se fosse indolor
como se não machucasse dedos e artelhos nos escolhos
me pedem que eu escreva
como se nada fosse
flanar pelos bairros altos
cidades ocultas
expondo as vísceras sob as costelas
nervos atados às vértebras
como se eu tivesse mil braços e mãos para segurar a longa fila de intestinos e tripas e tendões e vasos
artérias e veias
me pedem que eu escreva como se não fosse constrangedor andar por aí coberto de sangue urina e fezes
como se o mundo fosse uma incubadora anti-germens e a mim fosse dado direito e dever da impunidade e do salvo-conduto
invisibilidade de herói
mas o pior
creiam-me
o mais terrível
é ser obrigado a caminhar com a deselegância de dores crônicas tão antigas quanto o arco
tão venenosas quanto a frecha
fingindo uma elegância e estilo mui apropriados às feras entre feras
me pedem
então
que eu escreva
e eu repito
não é que não escreva
apenas não publico
porque dói caminhar sobre o fio da navalha sem direito ao desequilíbrio
sem o perdão do abismo
sem o frescor de uma esperança sempre adiada
me pedem e não sabem o que me pedem
me pedem sonhos
eu
que nunca durmo
me pedem sorrisos
eu
que nunca choro
a não ser no escuro
tarde
noite
quando o animal me empurra o peito e sufoca qualquer som e palavra.



[vídeo de poncodoma no youtube sobre spinning away de eno cale]

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

qualquer som, palavra





me pedem que eu escreva eu escrevo digo apenas não publico me pedem que eu escreva como se fosse indolor como se não machucasse dedos e artelhos nos escolhos me pedem que eu escreva como se nada fosse flanar pelos bairros altos cidades ocultas expondo as vísceras sob as costelas nervos atados às vértebras como se eu tivesse mil braços e mãos para segurar a longa fila de intestinos e tripas e tendões e vasos artérias e veias me pedem que eu escreva como se não fosse constrangedor andar por aí coberto de sangue urina e fezes como se o mundo fosse uma incubadora anti-germens e a mim fosse dado direito e dever da impunidade e do salvo-conduto invisibilidade de herói mas o pior creiam-me o mais terrível é ser obrigado a caminhar com a deselegância de dores crônicas tão antigas quanto o arco tão venenosas quanto a frecha fingindo uma elegância e estilo mui apropriados às feras entre feras me pedem então que eu escreva e eu repito não é que não escreva apenas não publico porque dói caminhar sobre o fio da navalha sem direito ao desequilíbrio sem o perdão do abismo sem o frescor de uma esperança sempre adiada me pedem e não sabem o que me pedem me pedem sonhos eu que nunca durmo me pedem sorrisos eu que nunca choro a não ser no escuro tarde noite quando o animal me empurra o peito e sufoca qualquer som e palavra.

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Point of view





Alguém me disse “um dia seremos felizes”. E não fomos.

Outro me falou “então, findou-se o encanto”. E resistimos.









Fragmento de um discurso amoroso




[Egon Schiele]




“Seu corpo estava dividido: de um lado, seu corpo propriamente – sua pele, seus olhos – doce, caloroso, e, de outro, sua voz, breve, contida, sujeita a acessos de afastamento, sua voz que não dava o que seu corpo dava. Ou ainda: de um lado, seu corpo molengo, morno, na maciez exata, fofinho, se fazendo de desajeitado, e, de outro, sua voz – a voz, sempre a voz –, sonora, bem formada, mundana, etc.”

Roland Barthes, Fragmentos de um discurso amoroso










sábado, 11 de outubro de 2008

Barriga, lipoaspiração e penas de aluguel [131008]


[Susan Shimeld]



Então, o sobrescrito, colunista de quinta coluna e categoria, cometeu a maior barriga da campanha do ano da graça de dois mil e oito.

Isso foi na semana passada. Uma semana passou. Alguém se lembra? Alguém esqueceu?

Vamos aos fatos: eu disse aqui, neste mesmo bat-canal, bat-espaço, bat-coluna-e-jornal que haveria segundo turno.

Não houve.

Notícia velha, de ontem, da semana passada.

Derna então, antecipando o próximo 2 de janeiro, vivemos no melhor dos mundos, numa Graceland, numa Wonderland, num comercial da Barbie – falta só a placa de boas-vindas na entrada da cidade, BR-101, próxima ao rabo do cometa-estrela e aos Três Reis Mágicos: “Welcome to the Barbie World”.

O lugar onde as meninas têm cabelo escovado e os meninos músculos bombados.

Onde quem ainda fuma usa piteiras.

Onde quem bebe obviamente não bebe cachaça.

Onde os dentes são mais brancos, os sotaques mais pronunciados, os saltos os mais altos, as unhas mais compridas, a moda mais fashion, os vinhos mais encorpados, os champanhes mais borbulhantes. Onde os táxis são Land Rover, os pulsos pulsam Rolex, os dedos alisam a tela de iphones, comprados em Miami ou Manhattan, como exige o kit-maracatu cantado por Eliana Lima.

Lembram de “O show de Truman” (direção de Peter Weir, 1998)? O sujeito descobre que vive num reality show, tudo fake: as pessoas com quem convive são atores e atrizes, a cidade é um imenso cenário, as câmeras sempre ligadas. Truman era interpretado por Jim Carrey, aquele que fez “O Máscara”.

Mas na Wonderland nativa o show não é bem um “Domingão do Faustão”, ou um “Sex and the city”, ou um “Gossip girl”: é reality show, mesmo, abaixo da cintura, linha do Equador, meio dos Trópicos, Câncer e Capricórnio. É show de quinta, camelódromo eletrônico, vale tudo, telecatch do dinheiro. Mucha lucha.

Aí o leitor que apostou, não a cabeça, mas cem mil dinheiros ou dúzias de scotches, dirá, não sem razão: “Mas que rapaz despeitado”.

Pode ser, pode ser.

Em verdade, em verdade, vos digo, trabalhei, como profissional, na campanha de Fátima (como já trabalhei, em outras primaveras, para Lavoisier Maia, José Agripino, Geraldo Melo, Ney Lopes, Fernando Bezerra e Wilma Maia, pra citar alguns dos nativos). Não nesta coluna, mas fora dela, enfatizo. A esse trabalho dá-se o nome de marketing, não jornalismo, claro.

Mas, como cidadão, votei em Fátima e contra Micarla. Porque não acredito na capacidade da nova administração em gerenciar uma cidade que caminha, aos tropeços, rumo ao caos. A isso dá-se o nome de opinião pessoal, não jornalismo, claro.

Afinal, por que não deveria assumir, se de opiniões pessoais e interesses idem valeu-se a imprensa potyguar nesses meses de campanha? Aliás, esse papo, coisa, já encheu o saco, muito aquém de Marrakesh ou Teerã. Quem ainda acredita na isenção da mídia que bote a viola no saco e o rabo entre as pernas. Ou vá aos arquivos dos jornais e blogs. Quem ainda acredita que a ideologia sozinha move montanhas é porque também se ilude com a falácia que o dito empresariado poderia cruzar seus braços armados diante de um embate onde seus interesses e razões de ser corriam riscos. Voltando à imprensa, ela é tão livre e soberana quanto o são a livre iniciativa capitalista.

Se Micarla ganhou, viva Micarla! No sentido que, até onde se sabe, não houve nada que ponha em dúvida os resultados das urnas eletrônicas. Nenhuma falcatrua punível por lei. Maioria é maioria – e, convenhamos, boa parte das vozes dissonantes que se elevaram aos céus, especialmente depois do fato consumado, não têm do que reclamar. Chegaram bem atrasadinhas diante do leite que se derramava a olhos vistos. Alguns acharam que o PT era uma vaca sagrada que não podia misturar-se ao trânsito caótico do vai-e-vem político. Outros (os bacuraus remanescentes) acharam que o aluizismo ou o que sobrou dele não poderia nem deveria se imiscuir nem com o wilmismo nem com o petismo. Por fim, idem, idem, para a velha-guarda e juventude guerreira.

Os melhores analistas do mercado midiático dizem que foi a rejeição popular ao acórdão quem derrotou Fátima e a intrépida trupe.

O sobrescrito não acha. Eleitor – especialmente aquele que engrossa a massa faminta e famélica de tudo, a começar pela falta de Educação – não perde tempo mandando recadinhos aos todo-poderosos. (Mais, digo mais, para corrigir o azimute dos pretensos analistas: poderosos e todo-poderosos e quase-poderosos estavam espalhadas de lá e de cá – ou alguém acredita que a dona de uma emissora de TV populista, um presidente de Assembléia, dois senadores democratas, três deputados federais e a turma do concreto armado não têm poder?)

Não, crianças, não vamos nós também pedir abrigo na Ilha da Fantasia: a massa votou em Micarla porque no fundo, no fundo, prefere comer seu mísero pão nas arquibancadas do circo.



PROSA
“As pessoas de uma massa ou seu conjunto têm uma inteligência menor que suas partes constituintes.”
Christopher Hitchens
Cartas a um jovem contestador
VERSO
“Ah, minha cidade verde
minha úmida cidade
constantemente batida de muitos ventos”

Ferreira Gullar
“Poema sujo”

Bom dia, prefeita [061008]


[Susan Shimeld]


Independente do resultado de ontem – o qual obviamente desconheço, escrevendo esta coluna de véspera, feito peru de Natal – alguém há de saudar uma das duas candidatas, hoje, ao raiar do sol primaveril, com a saudação típica dos otimistas madrugadores: Bom dia, prefeita!

Assim, no feminino.

Porque – ao menos que o mundo tenha tomado um rumo ainda mais vertiginoso do que realmente vem tomando – ou Micarla de Sousa venceu o escrutínio de ontem, ou foi Fátima Bezerra quem contrariou as pesquisas e os muezins midiáticos deste voraz Arraial de Palumbo, a grande maioria mui bem engajada em vender gato por lebre e no exercício diário de tapar o sol com a peneira.

Independente do exotismo da segunda possibilidade apontada, há uma certeza: os outros seis candidatos, todos varões, foram solenemente ignorados pela plebe, massa eleitoreira.

Há, ainda, uma terceira possibilidade em que o sobrescrito aposta – sem querer passar-me por pitonisa de beira de calçada de restaurante self-service: segundo turno, pois.

Contrariando o Sr. Edgar Allan Poe, que recomendava em um de seus contos nunca apostar a cabeça com o diabo, eu apostaria a minha com o tinhoso – pagando, quem sabe, com uma “barriga” – que a manchete deste e de outros jornais amanhecem o dia de hoje com ao menos duas palavras em comum: “segundo” e “turno”.

O que, decerto, não invalida o augúrio matutino: seja a Sra. Fátima Bezerra, seja a Sra. Micarla de Sousa, cada qual terá alguém para pronunciar as palavrinhas mágicas tão logo se ponham em pé depois da batalha dominical. Afinal, passaram pelo coador do primeiro turno, a possibilidade de vitória se aproxima e o séquito que as acompanha há de querer injetar-lhes doses de ânimo antecipando a próxima eleição.

Ou seja, Natal terá sua segunda prefeita mulher.

Se isso faz alguma diferença, não faço a menor idéia.

*

EM TEMPO

Vamos ao lugar-comum: provavelmente até os paralelepípedos do largo do Atheneu sabem que o sobrescrito participou – profissionalmente, como redator, não como jornalista – do marketing de Fátima. Como eu meti na frase anterior um “provavelmente” não custa pingar os is.

E lembrar-vos de Cláudio Abramo: “No jornalismo, o limite entre o profissional como cidadão e como trabalhador é o mesmo que existe em qualquer outra profissão. É preciso ter opinião para poder fazer opções e olhar o mundo da maneira que escolhemos. Se nos eximimos disso, perdemos o senso crítico para julgar qualquer outra coisa. O jornalista não tem ética própria. Isso é um mito. A ética do jornalista é a ética do cidadão. O que é ruim para o cidadão é ruim para o jornalista.”



PROSA
“Com o que acontece é nós exultante.”
Julio Cortázar
A volta ao dia...

VERSO
“Agora já sabemos que a única certeza se engendra
naquilo que nos ultrapassa.”
Lezama Lima
“A partir da poesia”

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Botelha/Tábula




NAUFRAGO PRESO AA TI





Cidade dos Reis, october 2s week

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Norte/Sul




EU BEBO AA SOLIDÃO DE PASSAGEM




São Miguel do Gostoso, october 1st weekend

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Desencontro



[Guido Crepax]



Eu pensava que te encontraria no bar da esquina. Mas estava fechado, as cadeiras com as pernas pra cima, um gato dormindo e espalhando pêlos sobre o balcão.

Na praça, não fui, que me espantam sombras que noite sóis derramar no chão de pedras portuguesas.

Espiei cada táxi – só motoristas cansados, sonhando carneiros, uns. Outros três – em círculo, não em triângulo isósceles – fumavam baganas, os pés rodopiando espirais.

No bar da moda, apenas o bar da moda. Moças, moços. Não nessa ordem e ou seqüência. Não em gênero, número, grau.

Tudo tão tranqüilo com o vendedor de amendoins.

Com a moça das flores.

Com a cartola e a capa do mágico.

Comprei cigarros no armazém do porto. Uma puta, batom borrado. Uma puta, boca torta. Uma puta, coxas mulatas. Tafetá.

Desandei com os cigarros, como se Buenos Aires fosse. Não era rio. Não era mar. Apenas a catraia chovendo ferrugens.

Procurei entre os pomodoros do spaghetti western: Sergio Leone me piscou o olho, Clint Eastwood riscou um fósforo no solado da bota, Alex Nascimento me mandou beijinhos. Que moça adorável, Alexinho!

As nuvens apostavam corrida com o automóvel triste. O edifício tinha um nome: Étoile.

Subi e desci. O elevador fazia rumores de gato arranhando cortinas. De seda. Púrpura. Uma criança entrou no 27º. Cachinhos dourados. Asinhas nas costas. Quando se virou pra despedir um sorriso branco, deixou um odor de enxofre.

Também lá.

Dirigi a noite inteira. Oh night long. You’re the sunshine of my life. I just call to say.

Um uísque ainda na casa do velho amigo. Me serviu sem pedras. O rosto vincado. Tão agreste amizade. Mais rumor fazia um calango aquecendo rocha. Mostrou-me uma lista: teu nome de cima abaixo.

Riscamos todos. Quando a tinta acabou, passamos ao batom. A filha adolescente os havia dispensado quando optou pela careca radical e coturno pesado. Bela moça, ainda que as olheiras escuras.

Passeei ao largo, um Anjo me acompanhou, asas em movimentos tão sutis que nenhum papel rodopiou ao alto, nenhuma flor desabrochou.

Apenas te vi de relance na vitrine apagada. Por engano, era eu. Tão triste, tão só, o sobretudo abotoado escondendo as mordidas, os cabelos enganando os olhos escuros, o Anjo afagando o ar.

Quando reentrei em casa, bexiga cheia flertando com booom-bum-bang. Você se virou erguendo a coxa e desafiando os lençóis. Eu apenas entrei e saí, em tempo de ouvir da tua boca um apelo que não ouso repetir.

domingo, 21 de setembro de 2008

A felicidade é um revólver quente



A felicidade é um revólver quente.

O cano ainda fumegante.

O dedo ainda no gatilho.

A mão ainda na coxa.

Teu dedo em minha nuca.

Minha boca em tua língua.

A felicidade é um cão dobrando a esquina.

Longe das árvores.

Sob a sombra das copas.

A felicidade é um negócio ruim.

Quando bate, queima.

Quando fisga, morde.

Quando morde, rasga.

A felicidade é um cão dobrando a esquina.

Mas a felicidade do cão não é a mesma da esquina.

Um troço ruim.

Quando vem, machuca.

Quando queima, arde.

Quando arde, esquece de assoprar.

A felicidade.



Eu pensava que a felicidade fosse apenas um revólver sem balas.

Eu pensava.



Longe de mim, teu corpo fenece.




Oceânica





Como não me perguntaram, eu não falei.

Não disse.

E por que não me perguntaram, recolhi, recolhi-me, recolhi tanto lixo sideral, poeira de estrelas, copos vazios, cinzeiros quebrados.

E por não recolher-me, parti.

Sem um adeus, sem beijo de despedida.

Sem lenço na plataforma da estação.

Era inverno e no entanto era verão.

Primavera.

As folhas caíam como no outono, os frutos maduravam nas calçadas.

Só eu e você diante do nascer do sol.

Soprou um vento úmido. Fez frio de gelar as ventas.

O rio continuou seu mergulho contínuo no mar.

As ondas quebraram na praia.

Mesmo longe da arrebentação, nos arrebentamos todos.

Todos, eu e você.

Numa mesma ilha, sem nos encontrar.

E tão pouco (tão pouco) nos perder.

Secret life of plants






Beba-me, e eu andarei sobre estrelas.


Beba-me, e engoliremos a noite.


Beba-me, e as nuvens deixarão fiapos soltos entre dentes nossos.


Beba-me, enquanto minha boca busca tua mordida. Enquanto tua boca ronda meu pescoço.


Enquanto tua mão colhe plantas e flores no calor do meu sexo. Transplantados ao teu. Haste úmida, respiro aquático.


Beba-me, enquanto dançamos à beira do abismo, princípio nosso de cada fuga que fazemos antes do amanhecer.


Beba-me, mate-me.


Beba-me enquanto me comes.


Só não me abandones.