sexta-feira, 21 de novembro de 2008

anos a fio



[Gustave Doré, Inferno, 1857 circa]



O teu demônio me segue
anos a fio
ele tece flores para mim
divide meu corpo em partes
Ele me culpa
acena feliz por trás das labaredas
dança ao meu redor
cresce como uma planta
eu aparo suas bordas seu rabo seus chifres
O teu demônio me encanta
como um retrato antigo amarelado
uma xícara de louça no mercado
O teu demônio me espanta
canta para mim todas as noites
me arde me explora me atormenta
O hálito quente sobre a minha boca
a febre sempre
O teu demônio vai embora hoje
ou fujo dentro dele a galope
eu vivo dentro dele feito um passarinho
feito uma coisa miúda enorme pobre
dilatada como um crucifixo
dura como uma esmeralda
Me esmero e espero
um dia me chamo Laura
tu me abocanhas os peitos
eu te abocanho a alma


[Iracema Macedo, O TEU DEMÔNIO, in Lance de dardos. Rio de Janeiro: Edições Estúdio 53, 2000]

2 comentários:

Anônimo disse...

Alo, MIDC.
Meu demonio é você e adoro.

Laura disse...

Tão lindo, tão sofrido como as grandes paixões...