sexta-feira, 7 de março de 2008

ondandará-ArrigoCrocodilo-ondandará?



3 comentários:

Anônimo disse...

... e acolá, na minha radiola!

Carito disse...

... e no próximo risco voador dOs Poetas Elétricos passando a faixa "Mônica Doidecafônica"!

napoleão de paiva disse...

Aqui. Link mágico este que nos deixa de cara com a genialidade do grande crocodilo. Não conhecia essa missa in memória do Bispo do Rosário. Reouvir Clara e sua saga crocodilesca é puro deleite e frustração. Arrigo surgiu como um vendaval criativo, apresentando-nos à musica atonal, dodecafônica, com uma musicalidade de mestre, que, infelizmente, não teve um público, uma cultura, um país à altura de ouvi-la e alimentá-la.
Corta a alma o seu “Ondandará-ArrigoCrocodilo-ondandará?”
Felizmente nunca esqueci do seu show aqui no TAM, 81-82?, por aí- onde ele começava sua apresentação ‘datilografando’ uma música, numa velha máquina de escrever. Era apenas o começo das suas construções/desconstruções melódicas, improvisações a mais não poder e, sempre belas, contrariando a expectativa de chatice que inevitavelmente acompanha as ‘experiências’.
Há mesmo aquilo de que se pode viver no tempo e no lugar errados?
E ele continua por aí. Comparável a poucos, a bem poucos, como é dado aos gênios.
Abraço, Napoleão de Paiva.