sexta-feira, 14 de setembro de 2007

A grei, o presépio e a presepada



Os nativos desta terra onde se plantando tudo dá estão revoltadinhos com a turma do congresso.

Berram aos brados, retumbantes, vergonha! Vergonha! A mais cruel das vergonhas.

Armam-se de paus, pedras, caminhos sem fim, instigam cobras e lagartos na superfície saburrosa das línguas afiadas, desta feita desprovidas de papas. Sem amarras, sem peias.

O roto do esfarrapado, o sujo do mal lavado.

Lavam as mãos e assobiam de lado, como se não tivessem culpa no cartório. Cantam de galo. Batem no peito. Choram, rangem os dentes.

Muitos sobem nas tamancas.

Se agigantam, destamainho que são e não passam disso.

Da valentia espetacular. Valentes. Valentões. Valentinhos.

Esquecem que foram eles mesmos, quem colocamos a malta ali. Ali, aqui, e acolá. Ontem, hoje e sempre.

Nossos representantes no poder. Retrato 46x35 de nós mesmos. Cagados e cuspidos.


Citação da citação de Torquato Neto:

E fique sabendo: quem não se arrisca não pode berrar. Citação:
leve um homem e um boi ao matadouro. O que berrar mais na hora do perigo é o
homem, nem que seja o boi.

{terça-feira, 14 de junho de 1971}

[in Torquatália: obra reunida de Torquato Neto/organização de Paulo Roberto Pires. Rio de Janeiro: Rocco, 2004]

3 comentários:

Moacy Cirne disse...

Oi, o Tião, hoje, ou ontem, republicou um artigo de Paulo Henrique Amorim que me pareceu perfeito sobre a "crise" do Congresso. Um abraço.

Carito disse...

Como pode um texto vivo viver fora de água fria? Você é um Torquato nato!

midc disse...

meu irmão sempre exagerado, e moacy sempre visitante assíduo... a propósito, o tião citado por cyrne não é o macaco, mas nosso correspondente na esquina de bsb, sítio q vc pode conferir em http://sopaodotiao.zip.net/