quarta-feira, 31 de outubro de 2007

For your eyes only


A moça mais bonita da mesa tem olhos sonhadores.

Um sorriso encantador, desenhado a régua e compasso.

Cabelos negros como as asas da graúna e lisos como os de uma gueixa.

A moça mais bonita da mesa tem as unhas pintadas de vermelho, os braços longos e brancos, maçãs descoradas.

Os olhos escuros, profundamente escuros, redemoinho noir.

Os dentes perfeitos, trançados num sorriso em flor desabrochando.

A moça mais bonita fala com as unhas, com os olhos, com a boca.

Sei até o seu nome (ouvi-o, entre um discurso e outro), e, embora sente próximo à cabeceira, é o centro magnético da mesa comprida – além de a moça mais bela. Para ela são feitos todos os comentários, para ela brilham todos os olhares, para ela dirigem-se todos os garçãos.

A moça mais bonita da mesa está ao alcance dos meus olhos, mas não do meu abraço.

Ainda bem.

Só assim continuará sendo a moça mais bonita da mesa.


6 comentários:

Carito disse...

Sei que alguém que a gente gosta um dia disse, não sei se perguntou: "pra que realizar as obras se é tão bom sonhá-las"... Indo de encontro (literalmente): olhos também abraçam, né? E como! Se a moça mais bonita da mesa ler esse texto vai se sentir além de abraçada: a moça mas bonita do blog!

rodrigo levino disse...

pode ser que eu esteja sendo um infame na analogia, rs, de todo caso, isso me fez pensar em livros. acho que ulisses, de joyce, é essa coisa absurda e revolucionária para a literatura moderna porque nunca o li, rs. e vai continuar assim, pra não perder a graça e nunca deixá-lo de achar excepcional.

midc disse...

grande analogia, levino, realmente não tinha atentado... espero q nenhum fundamentalista literário tenha lido, periga q torres numa fogueira, herético! mas (também não li o odisseus) tempo haverá, tempo haverá, já dizia o eclesiastes...

Carito disse...

...(re)voltando e pegando carona no levi(a)no: quando estive no louvre para ver a mona lisa, desisti e fiquei monalisando meus pés na água do laguinho da pirâmide, retificando ali parado num banho de desmitificação...

Notlia Soriedem disse...

O poema � perfeito e se limita (?) aos versos finais (desculpe, sou muito minimalista):

"A mo�a mais bonita da mesa est� ao alcance dos meus olhos, mas n�o do meu (a)bra�o.

Ainda bem.

S� assim continuar� sendo a mo�a mais bonita da mesa".

midc disse...

sorry, notlia, mas eu nunca cometo poemas! mas thanks pelos seus comments. ah! e atenção aos espelhos, eles sempre revelam o q imaginamos ser a nossa visão dos outros ou a visão dos outros sobre nós ou.